20 de abril de 2016

ALGUMAS QUESTÕES SOBRE HQ NACIONAL

            Hoje trago aqui, uma entrevista que o roteirista e editor Leonardo Melo, de Curitiba, responsável pela editora Quadrinhópole, fez comigo há algum tempo atrás, para seu canal no Youtube. Nessa entrevista foi tratado alguns pontos importantes para o cenário de hq nacional.
             

             Para acessarem outros videos do Cidade HQ, o canal do Youtube do Leonardo Melo, é só clicar aqui.

13 de abril de 2016

2015- ANO DOS PARCEIROS: ALEXANDRE SANTOS

Lançamento de "Questão de Karma" na Blooks Livraria, em São Paulo, em novembro de 2015.
            Na postagem de 30/03, comentei que 2015, foi um ano em que voltei meu trabalho para parcerias, como desenhista e como roteirista, em trabalhos inclusive, de edições independentes. No segundo semestre deste ano, lancei pelo selo de quadrinhos, Quadro Imaginário, meu e do Omar Viñole, a revista Questão de Karma, com roteiro meu e desenhos do Alexandre Santos . Essa hq traz uma primeira parceria com o Alexandre, velho e querido amigo de longa data, um tremendo ilustrador, que já havia feito quadrinhos no passado, em algumas publicações mix, porém o trabalho como ilustrador e professor da escola Panamericana de Artes, havia o afastado das hq's. No ano passado, o Alexandre me chamou para dar aula no curso de Animação e Games da Panamericana, num módulo sobre story board e foi aí, que usando o roteiro de "Questão de Karma" como modelo para os alunos trabalharem na sala de aula, na criação de um story board, que pensamos na possibilidade de fazermos enfim, um primeiro trabalho juntos. O roteiro não era algo grande, vinte e uma páginas, o que possibilitaria algo mais descompromissado para o Alexandre trabalhar e eu, do meu lado, teria um novo trabalho para lançar no segundo semestre de 2015, em dois grandes eventos que aconteceriam: o FIQ - Festival Internacional de Quadrinhos, em Belo Horizonte, e o CCXP - Comic Con Experience, aqui em São Paulo, o que acabou acontecendo.
       

 O roteiro de "Questão de Karma", foi escrito há muitos anos atrás, provavelmente entre 1997 e 1998, algo assim, e, na ocasião, foi feito já pensando em outra pessoa para desenhar. Nesse período escrevi muitos roteiros para desenhistas, histórias eróticas e algumas de terror, que chegaram a ser publicadas. A ideia da história, já na época, era algo descompromissado, brincar em cima de uma velha piada, a coisa do "atirou pedra na cruz" e "Questão de Karma" segue isso.
           A hq conta a história de um homem que um dia acorda e vê tudo desmoronar em sua vida, descobre que está com uma doença terminal, o seu chefe no banco em que trabalha, arma um desfalque e coloca seu nome de "laranja" na história e pra fechar esse dia, sua mulher passa o dia, enquanto o marido trabalha, o traindo com vários amantes. Completamente desesperado, resolve se matar, se jogando d'um viaduto, mas é impedido no último momento, por um psicólogo, que na tentativa de ajudá-lo, resolve levá-lo para seu consultório e sendo hipnoterapeuta também, faz uma hipnóse de regressão  e acaba então, descobrindo a verdadeira causa de tantos males na vida do protagonista de "Questão de Karma". 
            Como disse, uma história escrita quase como uma piada, carregada de um tom de humor negro, que curiosamente toma outros ares, no traço estilizado e plástico do Alexandre. Ele optou em colocar alguns signos visuais, para ressaltar o emocional do personagem central, sua cabeça doentia e seu mundo sem possibilidades futuras. Nesse caminho todo é fundamental dizer da enorme satisfação e contentamento que foi trabalhar com esse amigo de longa data e talentosíssimo artista, que por ser o que é, como disse, agregou mais coisas que o roteiro à princípio pedia. Coisa de quem sabe muito bem o que faz.
Sequência de "Questão de Karma"

            A revista vem tendo uma vida boa, tanto em vendas pela internet, como em eventos de quadrinhos, o qual tenho participado com certa frequencia. E a alegria desta parceria nossa, foi tamanha, que eu e o Alexandre já estamos trabalhando num novo projeto, para 2017, provavelmente. Uma hq maior, com uma temática densa e extremamente ligada à esses estranhos tempos que vivemos, O homem do lado de fora, novamente o roteiro é meu e os desenhos serão do Alexandre. Eu aqui, e o Alexandre, com certeza, já temos muittas expectativas para esse trabalho. E aqui deixo uma pequena canja desse futuro trabalho, um dos muitos estudos que o Alexandre vem fazendo para essa história.
Estudo para "O homem do lado de fora"

             E, quem ainda não conhece "Questão de Karma" e ficou interessado em conhecer esse trabalho, pode adquirir através da lojinha virtual do Estúdio Banda Desenhada.

6 de abril de 2016

A VOLTA DE YESHUAH

                  Nesta semana, nos dias 9 e 10 de abril, acontece o Festival Guia dos
Quadrinhos,  um evento já tradicional aos fãs e leitores de hq's, e esse ano estará maior que suas versões anteriores, em um novo local e de maiores proporções, inclusive com um espaço dedicado somente aos artistas, que poderão vender suas publicações, originais, camisetas, além de terem um contato direto com o leitor. Algo sem dúvida alguma, muito
importante, principalmente para o autor, ter esse contato direto com o fã/admirador do trabalho ou futuro leitor. Em cada evento, um artista dos quadrinhos é homenageado, com uma exposição de originais, mostrando alguns momentos de sua carreira e nesse ano de 2016, tive a grata honra de ser homenageado. Serão aproximadamente, pelo que minha já não tão boa memória recorda, 22 originais, mostrando alguns trabalhos significativos meus, como a trilogia Yeshua, Dedos Mágicos, Zé do Caixão, entre outros.
             
Mas, sem dúvida, o grande momento para mim, durante o Festival Guia dos Quadrinhos, será o lançamento de Yeshuah Absoluto, publicado pela Editora Devir, edição encadernada que compila a trilogia original, Assim em cima assim embaixo, O círculo interno o círculo externo e Onde tudo está, também publicado pela mesma Devir. São 544 páginas, numa belíssima edição, onde além da obra completa, traz também 16 páginas coloridas de extras, com estudos dos personagens, cenários, figurinos, referenciais fotográficos usados em muitas sequências da hq, livros e cd's usados como pesquisa e trilhas para trabalho, versões de páginas a lápis e depois finalizadas pelo Omar Viñole, muita coisa. Um livrasso que a editora fez, presenteando principalmente os fãs dessa trilogia.
              Para mim, em especial, foi também um presente, um belo presente, ver Yeshuah voltar para mim, mais bem editado, impresso, como deve ser, modéstia à parte. Falo isso, pois como já comentei aqui no blog e em vários outros seguimentos, geralmente depois de lançado um trabalho, passo por um processo de despreendimento e, por mais que pode parecer um raciocínio óbvio, chavão, a obra passa a ser do leitor, pois será ele que irá desfrutar, ter suas vivências, suas emoções, suas reações, enfim, sua relação e será através dele, que a obra irá perdurar ou não. De minha parte, tudo já fora feito, experenciado, entendido, aprendido. Assim então foi com a trilogia Yeshuah, lançada respectivamente em 2009, 2010 e 2014, o qual teve essa edição encadernada sugerida pela própria editora. Pensar e ver essa edição agora, foi de grande alegria, como disse, um presente para mim, pois causou então, uma nova interpretação da obra e consequentemente uma nova leitura, acredito que, os que forem adquirir Yeshuah Absoluto, terá essa mesma impressão.
             Alguns críticos, jornalistas e amigos artistas apontam Yeshuah, como meu melhor trabalho. Acredito que sim. Não penso muito nisso. Nunca pensei antes e não penso agora. Vou adiante, buscando coisas novas, sempre, é claro. Mas indubitavelmente a expressão de amor nele contido, pode ser e será única.
           
Para quem quiser saber mais detalhes sobre o Festival Guia dos Quadrinhos, é só conferir no site do evento.

30 de março de 2016

2015 - ANO DOS PARCEIROS: MARCATTI


           Com o enorme hiato de postagens  aqui no blog, acabei deixando passar algumas coisas importantes que aconteceram no ano passado, 2015. Fatos, trabalhos, lançamentos que sem dúvida, seriam e são importantes deixar registrado aqui neste meu espaço, onde vocês podem melhor conhecer meus quadrinhos e minha arte. Pois bem, então, é o momento de acertar esses buracos.
         Em março do ano passado, se não me falhe a memória, lancei a obra Dedos Mágicos, em parceria com o grande Francisco Marcatti, ou melhor, o Marcatti, figura ímpar e fundamental para a história dos quadrinhos brasileiros e em muito especial para o cenário independente, que obviamente dispensa maiores apresentações, pelo seu prestígio tanto como criador, como pelo seu trabalho pioneiro como editor de seus trabalhos, e pela sua história de mais de 30 anos de estrada. O pai dos alternativos. E o album Dedos Mágicos, como não poderia deixar de ser, foi lançado de forma independente e rodado na máquina impressora do próprio Marcatti: a intrépida Multilith 1250, fabricada em 1954.
            A ideia dessa parceria foi proposta por mim ao Marcatti em meados de 2014 (se não me engano, novamente, memória já não é a mesma...), durante uma viagem de volta para São Paulo, vindos de um evento de quadrinhos em Campinas. Marcatti, pediu uns dias para pensar, pois esse tipo de parceria era inédita para ele, e realmente passado alguns poucos dias, me retornou dando um ok  para minha absoluta alegria e honra.
          Nesse período, o Marcatti vinha de um processo, o qual ainda está: publicar toda sua obra, nova, inédita, assim como antigas e clássicas hq's, dentro de sua editora independente e com essa gerando um belo catálogo de seus trabalhos. Eu, vinha do lançamento de Yeshuah - onde tudo está, último livro da série de três, Yeshuah, obra mais que falada e conhecida, por vários motivos e um deles, pelo enorme tempo que levou para toda sua concepção, treze anos. A ideia nesse período, era justamente trabalhar com algo mais leve, mais descompromissado, até certo ponto, sem todo o peso (no melhor sentido possível) que foi produzir a trilogia. Nada mais interessante seria ver, como seria o universo escatológico, crítico, daquelas coisas que podem nos acontecer ao nosso lado, do Marcatti, que no caso faria o roteiro, ilustrado por mim.
          Foi muito interessante e um tremendo apredizado, adentrar um pouco no universo de criação deste grande e original artista. Com o roteiro pronto, Francisco (Marcatti, claro), me chamou para sua casa, para que fizessemos uma leitura de seu roteiro. Nada de enviar o texto via e-mail, para que eu o lesse em minha casa, em meu estúdio. Tudo funcionaria como uma leitura dramática, comum a atores e diretores, durante ensaio de uma peça de teatro ou filme  e essa impressão, proposta pelo Marcatti, deveria anteceder a uma leitura posterior minha do texto. Experiência nova, em se tratando d'uma parceria, roteirista - desenhista, que proporcionou algo novo, quase orgânico com a minha interpretação desta história. Acredito quje, realmente o ponto alto dos bastidores de Dedos Mágicos.  
           A história, conta sobre uma mulher e sua fixação e prazer com dedos e tudo que acarreta em sua vida, sua ligação com um homem bem mais velho, casado. Marcatti, conduziu esse roteiro com maestria e seguindo sua linha de criação, óbvio, que encrementando pontos onde o meu desenho, o meu jeito de
contar certas coisas, teria mais peso, como alguns momentos de clima mais erótico e a própria protagonista ser uma mulher sensual. Houve de minha parte, uma intenção de misturar épocas, tanto no tipo dos personagens, como em seus figurinos e cenários. Anos 50, 60 e o atual, se confundem, se misturam, tranquilamente. O resultado agradou a todos, ou quase todos, e a mim, uma experiência única, que começou com a intenção de algo mais descompromissado e que acabou se tornando, uma outra coisa, uma outra história.    
           Dedos Mágicos para os que se interessarem em adquirir e principalmente conhecer, pode adquirir em lojas especializadas aqui de São Paulo, como a Comix Shop, Monkyx e Gibiteria ou diretamente com os autores, através do site do Marcatti ou na lojinha virtual do meu site.
         
                                                                     





           

23 de março de 2016

DAVID ESCARLATE, O HERÓI DO ESPAÇO E SUAS ORIGENS

            Já é conhecido e vivenciado por muitos criadores, artistas, aquela história de algo criado de uma forma completamente descompromissada e sem preocupação com retorno de público. No caso específico meu, leitores. Há alguns anos criei uma série de tirinhas, o qual batizei de Banda Mamão, nome inspirado num antigo Fotolog que tive na época áurea dessas páginas pessoais na internet e que posteriormente virou esse blog aqui, enfim, essas tirinhas eram simplesmente um exercício de criação, de colocar pensamentos, raciocínios sobre diversas coisas, diversos assuntos, pois não me julgava e não me julgo ainda, um cartunista, um autor de tirinhas, um humorista. Como disse, o exercício de criação valia e vale a pena, como constante estímulo. As tirinhas tiveram seu próprio blog e posteriormente passaram a ser publicadas em secção do site do meu estúdio, com um interessante retorno e apreciação dos leitores visitantes.
            Nesse ritmo então, como um criador de Histórias em Quadrinhos mesmo, a questão de contar uma história foi mais forte do que ficar só criando tirinhas de humor ou reflexivas, daí nasceu, ou melhor, voltou (daqui a pouco explico isso), David Escarlate, o herói do espaço. A ideia não era fazer uma paródia a esse tipo clássico dos quadrinhos: o herói espacial, na linha Flash Gordon, Buck Rogers e mesmo Star Wars, embora num primeiro momento possa parecer. As tirinhas aventurescas deste personagem, trariam o sabor daquelas clássicas hq's e filmes antigos, sem a intenção da sátira, mas sim da aventura descompromissada. Vilões tradicionais, malvados, moças em perigo, heroínas intrépidas e um herói valente, audaz, sem medo de nada, se aventurando num universo conhecido e sem fim.
           A premissa dos episódios tirinhas, como batizei, era uma determinada situação em que o herói se envolveria e daí para frente, sua aventura iria ao bel prazer do exercício de imaginação, similar ao que me despus fazer nas tirinhas do Banda Mamão, com a vantagem de estar trabalhando dentro de um campo que conheço melhor que é do que contar uma história.
            Nessas idas e vindas de um despreocupado processo criativo, voltei lá atrás, bem lá atrás mesmo, em 1974, quando um então, menino com seus dez anos criou um herói para seus gibizinhos feitos em cadernos de desenho, coloridos com canetinha Silvapen (velha essa!) e lápis de cor, inspirado num dos primeiros heróis que havia lido e ficado fascinado: Flash Gordon, do grande mestre Alex Raymond. Parte inclusive deste princípio, a intenção de não fazer uma simples sátira, mas homenagear, dentro de uma linha leve, alegre e festiva essa primeira fonte de inspiração e principalmente o produto desta fonte, que então, aquele menino de dez anos fez, e que não me recordo agora quantos gibizinhos desenhados, pois só me restou esse acima.
E aí volto no início deste texto, onde comento sobre as tais coisas criadas de maneira descompromissada e que acabam gerando uma grande simpatia e apreciação do público, dos leitores. Assim foi com as tirinhas episódios de David Escarlate, onde fui descobrindo pela quantidade de visitações no site do Estúdio Banda Desenhada, que semanalmente tem uma ou duas tirinhas postadas e principalmente conversando com muita gente, pessoalmente ou via internet, todos fãs, curtindo as aventuras do herói loirão do espaço. Atualmente venho produzindo e publicando, sua segunda aventura, "Missão Ampulheta Quebrada", onde Escarlate sai na captura do vilão, o terrível Jacamolek, que alterou a estrutura do tempo, trombando neste percursso com vilões reptilianos, piratas cangaceiras, seres interdimensionais e o que mais vier pela frente. Como disse, as tirinhas não seguem um roteiro específico, são feitas no fluxo da consciência, tudo vai acontecendo conforme sento na mesa e vou produzir a tira a ser postada.
           Qual o saldo disso? Prazer, satisfação e contentamento de estar atingindo um público, que principalmente se diverte indo conferir o episódio do dia. Essa é a meta de todos nós criadores, o princípio básico, não? "Missão Ampulheta Quebrada" ainda seguirá mais uns bons capítulos, mas claro, ao seu término, o herói irá tirar um descanso e voltará, para sabe lá o que se aventurar novamente.
           E para os que ainda não conhecem, o herói David Escarlate, aparece semanalmente no site do Estúdio Banda Desenhada, neste endereço aqui .

7 de agosto de 2015

UM POUCO DO LAUDO PARA QUADRADOS E REDONDOS

            No último dia 6 de agosto, participei do programa Quadrinhos para Quadrados e Redondos, apresentado pelo estudioso de hq's Kendi Sakamoto, para o canal de web tv Geração Z. Nesse rápido bate-papo, deu para contar um pouco de minha carreira nos quadrinhos.

3 de março de 2015

BATE-PAPO, IDEIAS E GIBIS

            Recentemente participei do programa de web, Gibideia, apresentado e capitaneado por Edilaine Correa,e que vem trazendo um novo gás dentro dos programas de quadrinhos para internet, entrevistando muita gente que vem produzindo, estudando e escrevendo sobre hq's. Nesse programa, o bate-papo abrangeu vários momentos de minha carreira ao longo de todos esses anos.
            Edilaine Correa, é tradutora especializada em literatura francesa, mestra em Comunicação e Semiótica, formada pela PUC-SP. Trabalha há anos em biblioteca universitária e, desde 2010 é pesquisadora da área de comunicações, estudando como a 9ª arte é utilizada em jornais, livros  ou adaptações literárias ou mais especificamente, como nos convidam para relaxar, abstrair, rir, refletir, aprender, enfim, como contribui com a sociedade como bem cultural. Com todo esse belo currículum, Edilaine, só vem agregar mais valor aos quadrinhos brasileiros e seus meios de divulgação e pesquisa.
           Confiram a entrevista.